Mulheres no Airsoft: Entrevista Anna Vargas a Myst Airsoft

Nossa simpática e carismática Anna Vargas da equipe LDA nos cedeu uma entrevista sobre como é ser esportista profissional e mulher dentro do esporte, Anna mais famosa como Myst tem colaborado com Airsoft promovendo outras mulheres apoiando com informações e dicas para quem quer ingressar no esporte.

Myst Airsoft, nos dá uma entrevista técnica e fala sobre sua carreira no esporte, desde o inicio e atualmente em operações na LDA.

1- Fale sobre você e como conheceu airsoft ?

Meu nome é Anna, codinome Myst. Sou casada, mãe de um menino de 3 anos. Sou curitibana, mas atualmente moro em Cuiabá, onde meu marido e eu temos negócios. Ele atua no ramo da carne e tem também um bar voltado ao airsoft e eu sou publicitária e também atendo como sex coach para mulheres nas horas vagas. Conhecemos o airsoft há 4 anos, pela internet. Na época morávamos no interior e eu estava grávida, então tive poucas chances de jogar, era mais uma brincadeira mesmo.

Meu marido entrou de cabeça no esporte, começou um time lá, organizou operações, etc., e eu ficava em casa cuidando do nosso bebê. Quando voltamos a Cuiabá, no fim de 2016, ele começou a pedir que eu fosse jogar com ele, agora que estávamos perto dos nossos pais e eles poderiam ajudar com nosso filho pequeno. Depois de muita insistência eu decidi acompanhá-lo e passei a querer cada vez mais! Hoje se fico mais de uma semana sem jogar já começo a entrar em crise! (rs)

2- O que mais te motiva dentro do esporte?

Quem me conhece sabe que eu sou uma pessoa muito calma e pacífica. Não existe agressividade aparente. Mas a verdade é que eu reprimo muita coisa, por causa da minha natureza conciliadora. O airsoft é o espaço onde eu posso dar vazão a essa energia, explorar minha versão mais “guerreira”. O que me motiva é a vontade de me tornar mais forte, mais habilidosa, mais ágil, mais resistente, entende? Gosto dessa sensação de superação.

3 – Você é assaut? Que modalidade de airsoft joga e que arma utiliza?

Jogo como assault. Aqui praticamos com mais frequência o forfun, mas minha modalidade preferida é o milsim. Em novembro desse ano vou participar da minha primeira operação SAR (ou preSAR, ainda não sei todos os detalhes) em Marabá/PA. Uso atualmente uma Amoeba 009 e minha secundária é uma Glock G17 AW.

4 – Como surgiu a equipe Pelda? E o que ela representa para todas da equipe?

A equipe LDA surgiu no bar no meu esposo, o Hazard Airsoft Bar. Lá tem um campo de CQB e, enquanto os homens ficavam jogando, as mulheres ficavam bebendo no bar. Começaram a conversar entre elas, dizendo que gostariam de jogar também e tiveram a ideia de montar um time feminino. Quem tomou a iniciativa foi a Juliana (L-01), a Saloli (que era nossa L-02, mas se mudou pra Itajaí/SC há alguns meses) e a Amanda (L-03).

Nessa época eu jogava apenas no time do Hazard, mas quando elas me convidaram eu abracei a ideia de primeira!

Houveram algumas novas adesões e algumas saídas até a nossa formação atual, mas hoje nos sentimos bem unidas, fortes, e em sintonia. A LDA pra gente é uma família, é uma “seita”, como brincamos. Além de compartilhar essa paixão pelo airosft, somos muito amigas, falamos de tudo, gostamos de estar juntas! E no esporte é sempre uma fortalecendo a outra, ensinando o que sabe, ajudando a outra a melhorar. Levamos o esporte a sério, mas temos em mente que o objetivo principal é a gente se divertir.

5 – Qual dicas dá para quem é iniciante no esporte e quer montar uma equipe feminina?

A maioria das mulheres tem receio de iniciar no airsoft porque, como é um esporte predominantemente masculino, elas não conseguem se ver lá. Meninas brincam de casinha, meninos brincam de soldado, não é assim? Então a primeira dica que eu dou pras meninas que tem curiosidade de conhecer o esporte é: “Se permita fazer alguma coisa que te mostre o seu lado forte. É viciante! Chame suas amigas, vão a algum campo com aluguel de equipamento e se permitam brincar, correr, gritar, se sujar! Daí pra formar um time é só questão de escolher as pessoas certas, que venham pra somar e começar a se equipar. Quando o vício se instala, já era!”

 

6-  Passe dicas de lodout feminino e como vai jogar no campo toda linda?

Gosto muito das fardas da Dacs que têm uma modelagem ótima e são bem resistentes! Gosto também de misturar peças mais táticas e com peças mais “civis”, tipo calça jeans e camiseta com colete, coldre e uma bota Acero lindona. E sempre que vou jogar uso um pouco de maquiagem ou, como prefiro chamar, pintura de guerra! Fico toda suada, a maquiagem borra um pouco, mas isso faz eu me sentir mais poderosa.

 

 

 

 

Facebook Comments

2 thoughts on “Mulheres no Airsoft: Entrevista Anna Vargas a Myst Airsoft”

  1. Essa é Guerreira, forte e linda, acompanho a Ana desde que comecei apostar e usar o Instagram, ja tive varios contatos através da internet com ela e sempre de boa vontade, atenciosa e educada me respondeu e hoje posso dizer que é uma grande Amiga que conquistei no Airsoft.
    Sucesso cada vez mais pra você Guerreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *